Urbanizarte fortalece vínculos e incentiva comunidades a articularem ações em seus territórios

 Cerca de 1 mil pessoas participaram da ação no fim de semana em três regiões de Campinas

(Por Ingrid Vogl)

Um fim de semana intenso com mais de 40 atividades gratuitas e comunidades de três regiões de Campinas engajadas e mobilizadas. Este é o resultado das três edições do projeto Urbanizarte, que aconteceram nos dias 10 e 11 de novembro e reuniram cerca de 1 mil pessoas. No dia 10, sábado, um dos palcos foi a Vila União, e a realização se deu em parceria com o Centro Comunitário do Jardim Santa Lúcia. O outro local foi o Centro das Artes e Esportes Unificados (CEU) no Jardim Florence. Já no domingo, 11, foi a vez da região dos Amarais (Jardim Santa Mônica) receber a iniciativa realizada em parceria com a Rede Abraço.

Segundo Sílnia Prado, assessora técnica responsável pelo Urbanizarte, o resultado das ações foi positivo e vai ao encontro da expectativa do projeto, que é incentivar as redes intersetoriais de cada território a darem continuidade a ações integradas. “As três agendas deste final de semana mobilizaram muitas pessoas e comprovam que a intensa articulação em rede é fundamental para que coletivos oportunizem espaços de troca, convivência e apresentações culturais que valorizem talentos locais e riqueza de ações”, afirmou.

Vila União

O Parque Luciano do Valle, conhecido como Bosque da Vila União, foi um cenário perfeito para receber a comunidade da região para as atividades do Urbanizarte. Vários pontos da área verde foram transformados em espaços convidativos para que as pessoas chegassem e se apropriassem das atividades propostas, como o cantinho da leitura, onde os irmãos Audrei e Pietro Santos, 11 e 9 anos, escolheram seus livros e sentaram sob árvores para saborear a leitura. “Viemos jogar futebol como sempre nos fins de semana, e quando vimos tudo isso preparado, resolvemos aproveitar”, disse Audrei.

O quiosque onde funcionou o cantinho da beleza, que ofereceu penteados, pintura de rosto e de cabelo e até manicure, foi um dos mais disputados pelos participantes. “A gente trouxe um pouco do que desenvolvemos na instituição, em uma ação que é muito interessante porque dá visibilidade ao trabalho da entidade, além de ser uma oportunidade para interagirmos com pessoas da região”, disse Glicia Carla de Araújo Souza Sena, funcionária temporária do Centro Comunitário Jardim Santa Lucia.

Outra grande atração – literalmente-  foi Josefina, ou Fina, para os íntimos. Do alto de suas pernas de pau, ela chamava de longe a atenção dos participantes que vinham interagir e tirar fotos com a vibrante artista voluntária. “Ações como o Urbanizarte são importantes para se criar vínculos com a instituição, valorizar o local onde as pessoas estão e convivem. Aprendi a andar de perna de pau em um espaço do território como este, e isso virou meu ganha pão durante um tempo. Hoje sou psicóloga, mas sempre que posso estou em lugares como esse, porque isso me faz bem e é uma troca: eu aprendi com a comunidade e agora tenho a oportunidade de retribuir com minha arte. Então a gente acaba conhecendo muitas pessoas e isso é um prazer para mim”, disse Agnes Lima Silva Santos, a artista por trás da Fina.

No espaço destinado às brincadeiras e jogos, Juarez de Figueiredo incentivava o neto Guilherme, 5 anos, a chegar a seu objetivo no brinquedo gangorra labirinto. “Acho maravilhoso quando acontecem ações como essa, em que a família vive momentos que as aproximam ainda mais. Deveria ter sempre para que as pessoas aproveitassem. Sou caminhoneiro e viajo a semana toda, e só tenho os fins de semana para aproveitar com meu neto. Então fiquei pirado quando soube do Urbanizarte. Nós dois estamos aproveitando muito”, disse o sorridente avô.

A equipe do Centro Comunitário Jardim Santa Lúcia foi a parceira executora do Urbanizarte da Vila União e responsável pela articulação e mobilização do núcleo criativo, composto por membros da comunidade e dedicado a liderar a organização  da ação.

“O desafio da articulação dos territórios e microterritórios para o município é frequente e na região Sudoeste que tem três microterritórios o desafio é ainda maior. Quando veio a oportunidade de participarmos do Urbanizarte, a gente ficou muito empolgado. Começamos o processo de articulação com uma grande participação, mas conforme foi passando tempo e se aproximando da data do evento , começamos a ter dificuldades de trazer as pessoas para participar do núcleo criativo. Mesmo assim, com esse desafio, conseguimos garantir os encontros, as inscrições das diversas atrações artísticas, uma boa divulgação. Essa experiência foi um termômetro para perceber que ainda precisamos avançar muito, e que essa seja uma experiência a partir da qual a gente consiga garantir mais espaços de articulação da rede, já que as ações globais são mais eficientes do que as atividades isoladas”, avaliou Ricardo Leite de Moraes, coordenador do Centro Comunitário Jardim Santa Lucia.

CEU Florence

Já no outro Urbanizarte do dia 10, no CEU do Jardim Florence, as atividades foram concentradas na quadra do Centro, com uma comunidade participante e orgulhosa de seus talentos locais. Segundo Maria Aparecida Teixeira Regis, assistente social do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) Florence, o processo de organização da ação começou lento e criou corpo conforme a data da iniciativa foi se aproximando.

“Além das apresentações inscritas, tivemos algumas boas surpresas, como uma moça da comunidade que quis cantar e tocar violão. Ela foi até a casa dela pegar o instrumento, e quando se apresentou, ela simplesmente arrasou. Isso resume um pouco do que é o espírito do Urbanizarte, que é fazer com que as pessoas da comunidade participem, e essa mobilização é contagiosa. O núcleo criativo atingiu o objetivo, que era o envolvimento da comunidade, que precisa muito de atividades como essa. Agora nosso desafio é dar continuidade a essa articulação para futuras ações no território”, afirmou Maria.

Foi fácil localizar a moça citada pela representante do CRAS em meio aos participantes do Urbanizarte.  Com seu violão, Ligia Gonçalves, 20 anos, estava feliz e orgulhosa de poder mostrar seu talento e ser retribuída com a valorização demonstrada pela comunidade. “É com meu violão que tiro toda minha energia negativa. Ouvi de casa o burburinho do Urbanizarte e vim ver o que estava acontecendo. Voltei e peguei meu violão. Eu estava precisando de um momento desses, e participar e ver o reconhecimento das pessoas, interagir com minha comunidade, assistir as apresentações e aproveitar esse momento, me trouxe felicidade e uma tranquilidade imensa ao coração”, contou.

Tranquila também estava Selma de Souza Dias Silva, que conversava com as amigas enquanto observava a filha brincando no balanço. “Ações como essa deveriam acontecer muito mais vezes, porque é em momentos como esses que a gente dá significado para as relações com a família, com amigos. Assim a gente aproveita a essência da vida”, disse a dona de casa, olhando com um sorriso a filha na maior diversão.

Santa Mônica

Por meio da Rede Abraço, o Jardim Santa Mônica, na região dos Amarais, recebeu o Urbanizarte no domingo, dia 11, com diversas atividades que tiveram como foco o fortalecimento da rede socioassistencial da região e da comunidade.

Segundo Ismênia Aparecida Oki, coordenadora do Centro Regional de Assistência Social (CRAS) Espaço Esperança, a ação teve como mote a história do território e a criação da Rede Abraço que está comemorando 20 anos de existência.

“Mais do que a criação da rede, comemoramos o crescimento desse grupo de forma intersetorial. As atividades propostas celebram nossa união com a comunidade na construção de um território cada vez mais articulado. Foi um encontro de fortalecimento e engajamento das famílias e toda a comunidade, valorizando a trajetória de cada um”, afirmou.

Uma das atividades mais significativas da ação foi a mobilização dos participantes pela defesa dos direitos dos idosos deficientes para a atualização de seus cadastros, que foi organizado pelo CRAS. “Tivemos o apoio da comunidade e conseguimos mobilização para que houvesse a atualização de diversos cadastros para a continuidade da garantia de seus direitos”, contou Ismênia.

Urbanizarte

As três edições do Urbanizarte ofereceram mais de 40 atividades gratuitas e abertas ao público que foram desde oficinas, recreação, apresentações e serviços. Um verdadeiro convite para as famílias e toda a comunidade curtir o fim de semana e, de quebra, fortalecer vínculos em seu território.

O UrbaniZarte é uma iniciativa do Programa Fortalecimento de Vínculos da Fundação FEAC, que tem como objetivo incentivar a identidade e o pertencimento local e estimular a socialização e a convivência comunitária, consolidando assim as redes locais dos territórios de Campinas para o pleno desenvolvimento humano. A FEAC executa e viabiliza o Urbanizarte, gerando oportunidades para que instituições que estão nos territórios em que a ação acontece sejam parceiras técnicas dessa intervenção e até líderes protagonistas das iniciativas.

Sobre o Programa Fortalecimento de Vínculos

O Programa Fortalecimento de Vínculos é uma iniciativa da Fundação FEAC que investe na qualificação de ações integradas de cultura, esportes e cidadania com o objetivo de prevenir o agravamento da vulnerabilidade social e reforçar os vínculos familiares e sociais protetivos.

Saiba mais: https://www.feac.org.br/fortalecimentodevinculos/

2018-11-14T16:58:42+00:0014 de novembro de 2018|Categories: NOTÍCIAS|Tags: , |
X