Projeto Trilhar2018-07-10T14:20:12+00:00

CONTEXTO

Muitos meninos e meninas em acolhimento não retornam às suas famílias de origem ou são adotados, principalmente quando chegam à adolescência. Essa realidade faz com que esses jovens completem a maioridade na instituição e aos 18 anos precisam iniciar uma nova etapa em suas vidas.

O momento é delicado porque esses jovens aos 18 anos precisam sair da instituição, independentemente de estarem ou não preparados. O momento do desacolhimento é uma ruptura porque esses meninos e meninas passam a vivenciar todas as dificuldades de uma vida adulta autônoma. 

O DESAFIO

Para encontrar seu lugar no mundo eles precisam de um apoio e uma nova perspectiva. E essa é a ideia do PROJETO TRILHAR: possibilitar para cada adolescente em situação de acolhimento a convivência e vinculação com uma pessoa genuinamente interessada em desempenhar um papel de referência em sua vida, no apoio necessário para o processo de transição para a vida autônoma.

Todos precisamos de uma referência positiva, alguém que nos direcione para assumirmos responsabilidades e autonomia, com um ombro amigo e ouvidos atentos para compartilhar nossas alegrias e dificuldades, que nos levanta quando queremos desistir diante de um obstáculo, e que nos faz aprender com nossos erros.

E nada como poder contar com um mentor para fazer toda a diferença na vida desses jovens que precisam buscar um lugar no mundo. Se você quer fazer a diferença, venha com a gente.

COMO FUNCIONA?

Para fazer esse projeto acontecer, trabalhamos em parceria com a Associação de Educação do Homem de Amanhã  (AEDHA) – Guardinha, o Instituto Fazendo História, de São Paulo/SP, a Secretaria Municipal de Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos de Campinas, a Vara da Infância e Juventude, e as organizações que acolhem esses adolescentes:

AEDHA, Centro Corsini, Associação Beneficente dos 13 Pais – Lar da Criança Feliz, Casa dos Menores de Campinas – Cidade dos Meninos, Instituição Padre Haroldo Rahn e Casa Maria de Nazaré – Casa Betel.

Você está convidado a conhecer o Trilhar e se engajar conosco nesse projeto, de forma voluntária, como mentor atuando na transformação de vidas dos adolescentes.

Os mentores contarão com formação e preparação para aproximação junto ao adolescente, e apoio nas tomadas de decisões envolvendo cada jovem, para que esses vínculos se fortaleçam, contribuindo para uma relação duradoura e saudável.

QUERO PARTICIPAR!

Conheça mais sobre o projeto Trilhar e tire todas suas dúvidas.
Participe de uma das palestras formativas. Se programe!


Horário: 19h
Local: Associação de Educação do Homem de Amanhã – “Guardinha”.
 (
Avenida das Amoreiras, 165 – Parque Itália – Campinas/SP)

INSCREVA-SE

QUERO SABER MAIS

Porque vivenciaram, em algum momento de suas vidas, situações que violaram seus direitos (negligência, violência e maus tratos) e tiveram que ser afastados do convívio com suas famílias, para a possibilidade de reverter a situação que gerou o afastamento. Nos casos em que não foi possível restabelecer essa convivência familiar, são encaminhados para instituições de acolhimento e ficam aptos à adoção.

Porque as pessoas inscritas no Cadastro de Adoção preferem o perfil de crianças de até 2 anos, minimizando assim a possibilidade desses adolescentes serem adotados.

Não. A relação não é jurídica: guarda ou adoção. O mentor será uma pessoa que orientará, guiará e inspirará o adolescente em seus projetos de vida, como apoio e referência, especialmente afetiva.

A proposta do projeto é de 03 anos, portanto esse é o mínimo de tempo que o mentor precisará estar junto com o adolescente.

Não existe uma formação acadêmica para isso, mas haverá uma preparação. O importante e essencial é ter disponibilidade e interesse em ser uma referência positiva para o adolescente.

Sim. Cada encontro abordará um assunto diferente e indispensável para a sua preparação e apoio para os momentos de encontros com os adolescentes.

Não, a definição se dará a partir das afinidades e de seu interesse e do adolescente, com o apoio da equipe do projeto.

Não. A proposta do projeto é na relação de apoio, referência e convivência. Qualquer situação que envolver a contribuição financeira, seja por desejo do mentor ou necessidade do adolescente, deverá ser discutida primeiramente com a equipe do projeto.

Sim. Os mentores, assim como os adolescentes, serão acompanhados sistematicamente pela equipe do projeto, de forma individual e coletiva.

CONHEÇA A CAMPANHA

Conheça outras formas de trabalho voluntário: feac.org.br/cidadaniaativa

SOBRE O PROGRAMA

O Programa Acolhimento Afetivo é uma iniciativa da Fundação FEAC que investe no bem-estar e proteção das crianças, adolescentes, adultos e idosos em situação de acolhimento. Tem como objetivo garantir espaços de construção de identidade e cidadania plena, ampliando as redes individuais de vínculos familiares e sociais protetivos.
SAIBA MAIS

PARCEIROS

X