Trampo Social: iniciativa inédita visa preparar jovens para atuação profissional e geração de impacto em suas comunidades

(Por Laura Gonçalves Sucena)

Encontrar uma oportunidade de trabalho e ainda transformar a realidade social é o sonho de muitos jovens. Com a grande demanda desse público em busca de ingresso no mercado de trabalho, a Fundação FEAC, por meio do Programa Juventudes, está apostando no projeto Trampo Social, iniciativa inédita que visa preparar jovens moradores de Campinas/SP para atuação profissional e com potencial para geração de impacto em suas comunidades.

A iniciativa, que conta com a parceria do Coletivo Sem Rótulo, foi lançada no último 17 de outubro para as Organizações da Sociedade Civil (OSC) que trabalham diretamente com o público entre 16 e 24 anos. Com a proposta de preparar futuros Educadores Sociais, o projeto visa desenvolver os jovens para que eles possam atuar nas instituições como aprendizes.

Durante o lançamento do projeto, o líder do Programa Juventudes da Fundação FEAC, Lincoln Moreira, falou da necessidade de se trabalhar com as juventudes. “A FEAC está apostando nesses potenciais, na energia, na velocidade e no interesse desses jovens. Queremos que as OSCs tenham educadores preparados para atuarem e sabemos que temos que fazer com eles e não para eles”, falou.

Por meio de uma série de formações, o Trampo Social irá preparar os jovens para o mercado de trabalho com uma série de oficinas únicas, desenvolvidas para tirar os participantes do lugar comum e adquirir ferramentas que possam contribuir com o futuro.

Segundo a técnica de referência do projeto, Tatiane Zamai, o projeto foi elaborado para possibilitar aos jovens qualificação profissional, ampliação de oportunidades de inserção no mercado de trabalho, sobretudo para os jovens atuem na área social, além de desenvolver diversas capacidades pessoais para que possam construir projetos de vida e atuarem como agentes de transformação social.

Desenvolvendo potencialidades

A formação, além de oferecer conteúdo para o futuro profissional, desenvolverá habilidades para que os jovens sejam protagonistas de suas vidas e potencializem seu papel como agente de mudança. 

Segundo a gestora de projetos do Coletivo Sem Rótulo, Marina Carvalho, as oficinas irão trabalhar o desenvolvimento pessoal, relacionamento interpessoal e habilidades para o mercado de trabalho, focando na atuação social de desenvolvimento e aprendizagem. “Vamos usar o conceito de experiências de aprendizagem, com temas que olham para o indivíduo como ser humano integral e potente de transformar a sociedade. O jovem quer autonomia e o emprego é uma forma dele se empoderar disso numa proposta de autodesenvolvimento e impacto social”, comentou.

A jovem aprendiz e voluntária da Fundação Educar DPaschoal, Marjori Nascimento da Silva, 19 anos, falou sobre sua experiência no mundo do trabalho. “Muitos jovens pensam em trabalhar com a área social e isso também aconteceu comigo. Sempre quis trabalhar em instituições e tenho certeza que esse projeto é uma grande oportunidade”, contou.

Para o pedagogo do CPTI (Centro Promocional Tia Ileide), Leonardo Lopes Ferreira, a iniciativa é louvável, especialmente pelo momento no qual as políticas públicas estão no centro de alguns debates. “Pensar a questão da juventude no campo do trabalho é essencial porque temos muitos jovens com potenciais e muitas vezes não conseguem desenvolver. São pessoas com capacidade reflexiva, de mobilização social e que não se encontram. Podemos contribuir para o desenvolvimento desse processo”, garantiu, com entusiasmo.

Pedro Ribeiro, educador social do Instituto Padre Haroldo, já participou de projeto social, com fortalecimento de vínculos, e acabou trabalhando com isso. “O projeto pode abrir um leque de possibilidades para essa moçada ser protagonista e multiplicadora de conhecimento”, comentou.

Curso e inscrições

Com a proposta de preparar futuros Educadores Sociais, o projeto contará com 12 oficinas de desenvolvimento pessoal e preparo de Jovens Aprendizes para atuação em instituições de Assistência Social. Serão 96 horas presenciais com certificado. 

O curso é focado nos quatro pilares da educação da Unesco: Aprender a Conhecer, Aprender a Fazer, Aprender a Conviver e Aprender a Ser.

Segundo Tatiane, o Trampo Social é destinado a jovens que querem sair do “lugar comum” e estão à procura de uma qualificação profissional diferente, criando pontes para oportunidades de emprego.  “Ter disponibilidade para participar e vontade de mergulhar em uma experiência única de autodesenvolvimento, conhecimento e disposição para vivenciar na prática todo conhecimento adquirido são características necessárias para participar da iniciativa”, garantiu.

O projeto de formação gratuita tem inscrições abertas até 05 de novembro de 2018. No total são oferecidas 30 vagas e as inscrições podem ser feitas pelo site https://www.feac.org.br/tramposocial/

Após a conclusão, a intenção é que as próprias instituições absorvam os jovens capacitados para atuarem como educadores sociais, especialmente como aprendizes.

A expectativa é que as OSC também contribuam com a divulgação da oportunidade, estimulando os jovens a se inscrever no projeto.

Sobre o Programa Juventudes

Programa Juventudes é uma iniciativa da Fundação FEAC que investe na criação de espaços de participação e aprendizado social, autogeridos por jovens, com o intuito de incentivar o protagonismo juvenil propositivo e engajado com o desenvolvimento social.

Saiba mais: https://www.feac.org.br/tramposocial/

 

2018-10-23T14:05:14+00:0023 de outubro de 2018|Categories: NOTÍCIAS|Tags: , |
X