fbpx

Rodada Social: oficina foca em projetos atrativos para investimento social privado

Orientação teve a participação de alunos da Agência Junior da Facamp

(Por Ingrid Vogl)

Como elaborar um projeto atrativo para que empresas realizem investimento social privado.  Esse foi o desafio proposto pela oficina do projeto Rodada Social, que objetivou orientar a qualificação das propostas selecionadas por meio de edital. A Rodada Social é uma iniciativa da Fundação FEAC em parceria com a Amcham Campinas que promove o contato entre empresas socialmente responsáveis e Organizações da Sociedade Civil (OSC) que contribuem para o desenvolvimento social das comunidades em que atuam. 

Em sua 3ª edição, a Rodada Social vem com uma novidade: a parceria com a Facamp através do curso de Propaganda e Marketing que estará representado pela Agência Junior. Serão os estudantes da Agência que vão criar projeto gráfico das iniciativas das OSCs a serem apresentadas às empresas que participarão da Rodada, prevista para o dia 13 de novembro.

Os alunos de Propaganda e Marketing participaram de toda a oficina, que ainda contou com orientações às OSCs sobre como “vender” o projeto às empresas e estabelecer rede de relacionamentos estratégicos com a iniciativa privada. Em duplas, eles se dividiram entre os grupos responsáveis pelas dez propostas selecionadas. A integração entre representantes das OSCs que respondem pela elaboração dos projetos e alunos foi imediata e segue durante todo o percurso da Rodada.

Segundo Breno Zuin, aluno do 3º ano e responsável pelo atendimento da Agência Junior para a Rodada Social, a experiência é positiva uma vez que dá a oportunidade de trabalhar com instituições que querem desenvolver projetos sociais, além de possibilitar experiência profissional com o aprendizado posto em prática graças a responsabilidade de diagramar os projetos desta 3ª Rodada Social.

“Ter contato e participar de um processo como esse, dando ideias que podem transformar o projeto em algo atraente para que as empresas invistam, é uma vivência que dá orgulho. Outro ponto é a experiência que a FEAC nos dá de desenvolver nossa capacidade como publicitários e marqueteiros, desenvolvendo a identidade visual e que enriquece nosso repertório e portfólio”, explicou Breno, que circulou durante toda a oficina dando apoio aos grupos que se formaram de alunos e representantes das OSCs.

Entrosados, os alunos conheceram as propostas de projetos e já começaram a discutir estratégias e planejamentos para uma comunicação assertiva. Isabela Pessoa, também aluna do 3º ano, teve seu primeiro contato com o desafio de diagramar um projeto na oficina da Rodada Social.  “Estruturamos o projeto e já começamos a pensar em alguns caminhos a seguir. Começamos a pesquisar referências para a identidade visual e estamos pensando em ações que vão além, como estratégias para captar voluntários, para que eles tenham contato com o projeto e possam acompanhar sua execução. Então já pensamos em ações que extrapolam o investimento no projeto. Queremos que as pessoas se envolvam de fato e assim, possamos vencer o principal desafio da Rodada, que é o de convencer com criatividade as empresas a investirem socialmente”, avaliou.

Reconstrução

Leandro Pinheiro, superintendente socioeducativo da FEAC, foi o responsável por ministrar a oficina, orientando e estimulando várias ponderações a partir de questionamentos com foco na construção de um projeto atrativo a ser apresentado às empresas.

“Do ponto de vista de captação de recursos com investidores sociais, um bom projeto precisa ter ambição clara de transformação social, tem que ter apelo, clareza e visão de uma sociedade melhor. Tudo isso para que a empresa se conecte com a proposta e tenha interesse no investimento. É preciso demonstrar como a ação proposta vai melhorar a vida dos usuários da instituição, e isso tem que ser traduzido em entregas com prazos e metas estabelecidas”, explicou.

As orientações levaram os representantes das OSCs a reflexões. “Depois de ouvir o Leandro, estou com a cabeça cheia de ideias, interrogações e preocupações. Fomos levados a ter novas visões do projeto, como por exemplo, olhar para a necessidade das empresas. A gente da assistência social tem a tendência de criar o hábito de não ver necessidade de explicar o que fazemos a quem não conhece nossa área, mas o óbvio para mim não é o óbvio para quem vai investir socialmente. Nesse ponto, precisamos descontruir o que estamos acostumados a fazer”, refletiu Priscila Graner Pinto Ribeiro, coordenadora do Centro Socioeducativo Semente Esperança. Segundo ela, a oficina também traz conhecimentos que podem ser aplicados em novas possibilidades para as OScs mobilizarem diversos tipos de recursos. 

De fato, transformar uma ideia ou uma necessidade em um projeto executivo não é tarefa fácil, como observou Marcela Doni, técnica responsável pela Rodada Social.  “Ao realizarmos a oficina de projetos, estimulamos as OSCs a organizarem suas ideias de maneira vendável, pensando em metas claras e mudanças concretas para sua comunidade. Com a Rodada Social, infelizmente não garantimos que as empresas irão apoiar os projetos financeiramente, mas oportunizamos o contato e temo a certeza de que com a oficina de projetos, despertamos as organizações para a importância de se trabalhar a captação de recursos por meio de projetos”, avaliou.

Aprimoramento

A última parte da oficina foi reservada a uma palestra sobre a importância das OScs manterem contato e estabelecerem relacionamento com as empresas após realização da Rodada Social. Para aprimorar o processo, a Amcham investirá na comunicação e alinhamento de expectativas com as empresas participantes da iniciativa.

“Percebemos que as empresas estavam indo para a Rodada despreparadas, sem informações do que seria o evento, então vamos investir para que as empresas participem com objetivos mais definidos e que a conversa seja direta, com expectativas mais alinhadas. Enviaremos um material prévio explicando como é a dinâmica do dia do encontro e dependendo do número de confirmações, estudaremos a possibilidade de realizar um encontro pré Rodada”, explicou Leticia Martins Liberali, analista sênior de produtos e serviços da Amcham.

O próximo passo da 3ª Rodada Social é a diagramação dos projetos executivos, que serão apresentados para as empresas no dia 13 de novembro, às 14h na sede da Amcham (Avenida Dr. José Bonifácio Coutinho Nogueira, 150, Edifício Galleria Plaza, 7º andar).

A Rodada Social é um projeto que compõe o Programa Cidadania Ativa, uma iniciativa da Fundação FEAC que investe em mobilização e engajamento de todos, com objetivo de energizar a sociedade para agir na superação dos seus desafios e promover o bem-estar social.

Mais informações: https://www.feac.org.br/rodadasocial/

Confira as OSCs que tiveram suas propostas selecionadas para a 3ª Rodada Social:

Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira (Casa das Oficinas)- Panificadora
Centro de Educação Especial Sindrome de Down (CEESD)- Inclusão no Mercado de Trabalho
Associação de Assistência Social São João Vianney- Projeto ContAção
Núcleo de Ação Social (NAS)- Serviço de escritório no formato Coworking
Grupo de Oração Esperança- Horta Vertical
Centro Socioeducativo Semente Esperança- Laboratório de tecnologia (Robótica e Informática)
Associação Nazarena Assistencial Beneficente (ANA DIC)- Oficina de Reciclagem
Associação Cornélia Vlieg – Oficinas de Fotografia para moradores de rua – Oficina resgate a identidade
Instituto de Pernas pro Ar- Horta Comunitária

 

2018-09-13T14:16:00+00:0013 de setembro de 2018|Categories: NOTÍCIAS|Tags: , , , , , , , |
X