Crianças e adolescentes em acolhimento desafiam a imaginação em atividades promovidas na Semana Mundial do Brincar

Diversificar vivências por meio de experiências saudáveis, estimular a interação entre crianças e adolescentes, incentivar a convivência e a socialização e ainda brincar. Pensando nisso, o Programa Acolhimento Afetivo da Fundação FEAC planejou atividades especiais que foram promovidas durante a Semana Mundial do Brincar.  Visando o fortalecimento de vínculos sociais protetivos e o convívio comunitário, as ações, organizadas em três dias, envolveram 120 crianças e adolescentes do Lar da Criança Feliz, Cidade dos Meninos e Aldeias Infantis SOS que na companhia de educadores passaram parte do tempo em atividades divertidas e desafiadoras realizadas no Museu Dinâmico de Ciência de Campinas, localizado na Lagoa do Taquaral.

Para organizar as atividades e desenvolver a potencialidade da turma, o ecobrinquedista e arte educador Renato Barbosa montou um ambiente lúdico visando o brincar livre e a criação de brinquedos. “A ideia foi deixar a criançada livre para usar a imaginação. Trouxemos materiais que desafiam e que instigam e, assim, nesse espaço de liberdade, cada um confecciona o brinquedo que deseja”, explicou.

De acordo com Ana Lídia Puccini, líder do Programa Acolhimento Afetivo, um dos objetivos da iniciativa é promover e garantir espaços de construção de identidade e cidadania plena das crianças e adolescentes acolhidos. “A proposta desta ação vem ao encontro deste objetivo: possibilitar de forma lúdica, livre e coletiva a convivência comunitária e o fortalecimento de vínculos saudáveis entre as crianças e adolescentes e entre estes e os educadores sociais, através do brincar. A cooperação e imaginação, tão importante para as crianças e adolescentes, se manifestam de forma intensa nesses momentos de interação proporcionado por essa atividade”, afirmou.

Oficinas e experimentos

Nas tardes e manhãs divertidas das oficinas, a criançada se deliciou com as atividades de vivência e construção de jogos e brinquedos, montados a partir de materiais reutilizáveis. Com essa proposta, o espaço contou com estações compostas por materiais de baixo custo e sucatas.

Todo o circuito de brincadeiras foi pensado com propostas lúdicas e não comerciais. “A ideia é que as crianças e adolescentes explorem os materiais e se desafiem. Quando utilizamos materiais não estruturados, potencializamos a livre criação e o brincar. E todos os materiais utilizados nas oficinas serão doados às instituições participantes”, garantiu o ecobrinquedista.

Valorizando o contato com o lúdico, as oficinas também ganharam a colaboração de voluntários mobilizados pelo Programa Cidadania Ativa da Fundação FEAC. “Foi uma experiência incrível passar a manhã junto com as crianças. Através das ecobrincadeiras pudemos nos conectar e também viramos crianças. Usamos a imaginação no Teatro, o raciocínio nos jogos e, assim, passamos uma manhã maravilhosa. Além do papel afetivo, a experiência foi incrível pela riqueza da proposta com materiais diversos e desafiadores. Foi um momento muito especial”, afirmou emocionada a bióloga Bruna Lorencini.

Descobrindo e socializando

Através das brincadeiras e construções em conjunto, as crianças aprendem a enfrentar os medos e valorizar as virtudes. “Acreditamos que o por meio do brincar, vencendo os desafios e dificuldades, elas podem conquistar sonhos”, falou o pedagogo do Lar da Criança Feliz, Eliot Ramos.

Favorecer o sentimento de pertencimento e inclusão por meio da participação em atividades coletivas é a intenção da Cidade dos Meninos. “Procuramos levar as crianças e adolescentes para atividades externas e eles sempre participam de cursos e oficinas.  Além de conhecer coisas e lugares novos, eles têm a oportunidade de socializar com outras pessoas”, falou Gilbert de Souza Batista, educador da instituição.

Karen Nascimento, pedagoga da Aldeias Infantis, também aposta na importância da socialização. “Nossas crianças e adolescentes estão sempre participando de ações fora da instituição. Tem a escola, as atividades extras e acreditamos que é saudável e necessário o contato com outras crianças e adolescentes. A brincadeira constrói muitos laços saudáveis”, pontuou.

Na tarde que foi esperada ansiosamente, a criançada não deixou por menos e aproveitou cada minuto. “Estou amando o passeio. Gosto muito de conhecer novos lugares e de brincar”, falou Thais, 12 anos. “Gostei muito das fantasias e de construir meus brinquedos. Hoje o dia foi especial”, completou Maria Eduarda, 11.

Semana Mundial do Brincar

As atividades realizadas com as instituições de acolhimento de Campinas aconteceram dentro da Semana Mundial do Brincar, proposta do movimento internacional Aliança pela Infância, que mais uma vez foi inspiração para a Fundação FEAC incentivar a temática.

Na Semana, as ações são planejadas pelas equipes das instituições com a proposta de integrar adultos e crianças por meio de brincadeiras criativas e prazerosas e isso também ocorreu com os abrigos do município.

Programa Acolhimento Afetivo

O Programa Acolhimento Afetivo é uma iniciativa da Fundação FEAC que investe no bem-estar e proteção das crianças, adolescentes, adultos e idosos em situação de acolhimento. Tem como objetivo garantir espaços de construção de identidade e cidadania plena, ampliando as redes individuais de vínculos familiares e sociais protetivos.

Mais informações: http://www.feac.org.br/acolhimentoafetivo/

 

 

2018-06-07T11:11:39+00:001 de junho de 2018|Categories: NOTÍCIAS|Tags: |
X