fbpx

Capacitação reúne profissionais da saúde, educação e assistência social e trabalha direitos dos jovens à Educação Integral em Sexualidade

Iniciativa facilita diálogo entre técnicos e juventudes

(Por Ingrid Vogl)

Juventudes e a Saúde Sexual e Reprodutiva: Novas Visões, Novas Práticas. Esse foi o tema da capacitação promovida pelo projeto “Jovens Mobilizadores pelos Direitos Sexuais e Reprodutivos”, uma iniciativa da FEAC em parceria com a ONG Reprolatina – Soluções Inovadoras em Saúde Sexual e Reprodutiva.

O encontro contou com a participação de 28 profissionais ligados às áreas da saúde, assistência social e educação.

O objetivo da atividade foi capacitar profissionais dos Centros de Saúde, escolas e Organizações da Sociedade Civil (OScs) para realizarem ações educativas de prevenção e atenção em saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens. A expectativa é que assim os jovens acessem mais as redes de serviços disponíveis e construam projetos de vida mais saudáveis.

Segundo Rodrigo Aparecido Correa, consultor técnico da Reprolatina e coordenador do projeto, a capacitação pretende que os profissionais participantes sejam referência nos marcos teóricos do projeto sobre a questão dos direitos sexuais e reprodutivos, sobre a participação juvenil nas políticas públicas na área da educação integral em sexualidade, e também possam atuar apoiando os jovens mobilizadores capacitados pelo projeto na realização das ações em seus espaços de atuação profissional e territórios.

“Nosso grande objetivo é reunir profissionais para revisar conceitos, trocar experiências e alinhar referências para o desenvolvimento das ações. Para isso, a capacitação aborda assuntos alinhados com temas do projeto, como a construção dos valores universais, conhecimento e apropriação do corpo, sexualidade, igualdade de gênero, como aplicar o exercício pleno dos direitos sexuais e reprodutivos, prevenção às infecções sexualmente transmissíveis, anticoncepção de gravidez e todo aspecto de como melhorar a comunicação jovem e adulto “, enumerou Rodrigo.

A formação também traz informações aos profissionais dos Centros de Saúde sobre a diretriz do Ministério da Saúde que trata da atenção integral a saúde do adolescente e do jovem, bem como o Marco Legal que aborda questões como o atendimento humanizado, respeito ao atendimento sem a obrigatoriedade da presença dos pais, sigilo durante o atendimento, entre outros aspectos.

Segundo Tatiane Zamai, assessora da FEAC responsável pelo projeto, a capacitação é uma das ações estratégicas da iniciativa. “A capacitação aproxima profissionais de diferentes segmentos em torno de um objetivo comum, unindo experiências e conhecimentos, agrega valor e promove mudanças, incidindo em avanços e movimentando os territórios em prol da prevenção e atenção em saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens”, explicou.

Ganhos

O grupo de profissionais de saúde, educação e assistência social se mostrou entrosado e participativo durante a formação liderada por Rodrigo e Susana Denicol, que entre as discussões e orientações, participaram de diferentes dinâmicas como parte da metodologia participativa que facilita e instiga a participação de todos. “Esta é a segunda experiência, desde o ano passado, de unir as três áreas em uma capacitação. É um momento de riqueza e troca de vivências e experiências fantásticas, porque cada um traz de seu território as necessidades, experiências e toda diversidade social, econômica e cultural que compõe o território. Ter a possibilidade de dialogar e construir novas experiências tem sido enriquecedor”, concluiu.

Para Eliane Ferreira dos Santos, assistente social no Instituto Federal de Educação, a capacitação vem ao encontro das necessidades e demandas diárias da convivência com os jovens. “A gente sente necessidade do diálogo com os adolescentes, e essa atividade vem nos preparar para esse trabalho”, disse.

Fernanda Fiorin Carvalhal, enfermeira do Centro de Saúde Campo Belo, chamou a atenção para o preconceito que as pessoas costumam ter sobre o tema da capacitação. “Falar de sexualidade não é falar de sexo. E aqui a gente fala sobre temas com os quais convivemos todos os dias, como o empoderamento feminino, o machismo que está enraizado na cultura brasileira. Então trazer os conceitos relacionados ao tema é essencial para podermos trabalhar com os jovens, porque eles têm uma linguagem muito diferenciada”, afirmou. 

O compartilhamento de informações que aconteceu durante a formação permitiu que os participantes esclarecessem dúvidas sobre questões recentes e muitas vezes polêmicas. “Algumas coisas eu tinha dificuldade de entender, como por exemplo, como tratar questões de gênero com os alunos. Tinha muitas dúvidas e receio de desrespeitá-los, dependendo de como eu poderia me dirigir a eles, e aqui tirei dúvidas.  Isso tudo ajuda a me aproximar e ter um canal de diálogo e respeito com os adolescentes. Mas é preciso continuar a pesquisar e buscar conhecimentos sobre o assunto, que é muito dinâmico”, avaliou Célia Coimbra, professora de artes na Escola Estadual Barão Geraldo de Resende.

Sede da capacitação que aconteceu entre os dias 30 de agosto e 4 de setembro, a Diretoria de Ensino Leste teve representantes que acompanharam integralmente a agenda. “A gente se fortalece enquanto grupo com a participação de profissionais das três áreas e assim podemos conhecer e buscar caminhos para se chegar ao objetivo, que é o bem-estar do jovem. Discutir esses assuntos é extremamente importante. No caso da escola, o professor precisa ter sensibilidade. Nosso jovem precisa de orientação, para que ele possa fazer tomadas de decisões de maneira mais consciente”, avaliou Patricia Marcela Polidoro, professora coordenadora do núcleo pedagógico de língua estrangeira moderna da Diretoria de Ensino Leste.

Iniciativa

O projeto Jovens Mobilizadores pelos Direitos Sexuais e Reprodutivos faz parte do programa Juventudes da Fundação FEAC. A iniciativa visa a capacitação não só de profissionais, mas também de jovens de instituições sociais e escolas públicas de Campinas/SP para atuarem como mobilizadores por meio de ações educativas que contribuam com a redução da vulnerabilidade juvenil. Em especial, levando conhecimentos sobre a prevenção da gravidez não planejada, de infecções sexualmente transmissíveis (IST/HIV-Aids), violência, bullying e promovendo uma reflexão sobre os direitos dos jovens e seus projetos de vida.

Sobre o Programa Juventudes

Programa Juventudes é uma iniciativa da Fundação FEAC que investe na criação de espaços de participação e aprendizado social, autogeridos por jovens, com o intuito de incentivar o protagonismo juvenil propositivo e engajado com o desenvolvimento social.

Saiba mais:

https://www.feac.org.br/juventudes/

http://www.reprolatina.org.br/

X