Atitude Educação estimula protagonismo juvenil

Grupos de alunos dos projetos vencedores participam da 1ª oficina

(Por Ingrid Vogl)

Sabe como estimular jovens para que pratiquem empatia, protagonismo e cooperação e juntos pensem em soluções para problemas de suas comunidades escolares? É fazer com que vivenciem essas experiências. Foi assim que o grupo de jovens das escolas vencedoras do Atitude Educação 2018 tomaram consciência de seu papel protagonista.  

A primeira oficina para os grupos de alunos e professores das nove escolas vencedoras do Atitude Educação 2018 teve como proposta integrar os participantes para que eles possam trocar experiências ao longo da formação sobre os projetos que irão desenvolver em suas escolas. Além disso, teve como objetivo aprofundar o tema protagonismo juvenil pensando nas competências e habilidades que são necessárias para colocar esse protagonismo em prática.

Por meio de dinâmicas foi trabalhada a integração e a habilidade empatia. A intenção foi mostrar na prática o protagonismo que transborda, que pensa no coletivo e que se preocupa com problemas da vida real, na escola, na comunidade, na família. “Nossa metodologia é totalmente interativa, justamente para que os jovens percebam que o tema faz sentido para suas vidas. Nosso objetivo é que eles pratiquem no dia a dia esse protagonismo e que isso vá muito além do desenvolvimento do projeto. Que tenha impacto em atitudes mais engajadas, disciplinadas, em resolução de conflitos e assim, que continuem a exercer cidadania ativa em suas vidas”, explicou Cristiane Stefanelli, coordenadora de projetos da Fundação Educar DPaschoal e que esteve à frente dos trabalhos, liderando os grupos. Para os educadores que acompanham os grupos de jovens nas oficinas, a expectativa é que percebam o quanto podem estimular habilidades protagonistas intencionalmente, inclusive através das aulas.

Raika Aquino, técnica responsável pelo projeto Atitude Educação, explicou o objetivo das oficinas. “A nossa expectativa é que os adolescentes e jovens experimentem vivências que contribuam com aquisição de habilidades e competências para o desenvolvimento integral do indivíduo. Neste primeiro encontro com os vencedores do Atitude Educação, a ideia foi integrar os grupos de modo que todos estejam envolvidos no desenvolvimento do projeto, apresentar o conceito de protagonismo juvenil e as premissas de uma relação educadora, segundo o Prof. Antônio Carlos Gomes da Costa”, enumerou.

Para comandar a oficina, um grupo de jovens da Academia Educar participou ativamente na apresentação das tarefas propostas e dos conceitos do protagonismo juvenil. “Essa experiência é muito incrível pelo fato de que estou  convivendo com jovens  de outras escolas, e essa troca de experiências é muito legal, porque acredito que cada pessoa tem uma caixinha de opiniões e vivências dentro de si que pode ser compartilhada com outras pessoas, porque o conhecimento precisa ser multiplicado e quando você ensina, você também aprende”, contou Giovanna Heloisa Brito Gondin, 14 anos, jovem da Academia Educar e aluna da Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Carmelina de Castro Rinco.

Mágica

A turma que começou tímida e quieta, como em um passe de mágica, se tornou falante e participativa, cheia de vontade de demonstrar seus pensamentos. Gabriel Guedes Ventura, 16 anos, aluno da Escola Estadual (EE) Culto à Ciência, não quis se expressar logo no início da oficina. Mas a partir do momento que os jovens foram incentivados a colocarem no papel e discutirem sobre seus sentimentos em relação à vida, Gabriel se mostrou um dos mais participantes.

“Foi irresistível, tive que me abrir e participar da discussão proposta.  Assim, me senti livre para demonstrar minha opinião e ser o que quero. Essa oficina nos incentiva a aprender coisas novas e tudo que nós fazemos e aprendemos aqui e na escola, vai ser levado para a vida”, disse.

Após a dinâmica sobre empatia e uma discussão sobre o protagonismo juvenil, os jovens, divididos em grupos, fizeram o mapa da empatia, onde refletiram sobre o que pensam, sentem, escutam, veem, falam e fazem e quais seus medos e desejos. O grupo ainda debateu sobre as premissas de uma relação educadora e levaram para a escola a tarefa de engajar outros alunos no projeto que será desenvolvido em cada uma das comunidades escolares.

Para cumprir as tarefas propostas na oficina, Letícia Tauani da Silva, 14 anos, aluna da Emef Maria Pavanatti Fávaro, participou de um grupo com alunos de outras escolas e ativamente discutiu os assuntos e colocou suas opiniões na roda. “Foi muito legal porque a gente teve muita comunicação e integração. Conversamos sobre a vida e sobre respeitar a opinião de cada um. É isso que vou levar dessa oficina: o respeito que pode mudar as relações e que pode mudar o mundo”, comentou.

Aluno da EE Prof. Luiz Galhardo, Gustavo da Silva Pazolini, 12 anos, aproveitou cada momento da oficina e se mostrou muito à vontade para expressar suas opiniões. “O que me chamou a atenção foi a camiseta dos jovens da Educar, que diz que os incomodados que mudem o mundo. E essa é uma visão muito bacana, de que nós podemos transformar. Esse incentivo para que a gente seja protagonista é muito importante, porque me sinto especial porque estou sendo ouvido aqui. Quando nos dão voz, sentimos que podemos mesmo fazer a diferença, e isso só depende da gente”, afirmou.  

Segundo Raika, a finalidade das tarefas propostas na oficina foi levar o grupo a refletir sobre a importância de compreender o estado emocional do outro ao colocar-se no lugar dele, além de detalhar a personalidade do protagonista por meio do preenchimento do mapa da empatia e ver situações sob perspectivas diferentes e entender as razões pelas quais os indivíduos agem de determinada forma.

“O diálogo sobre a persona do protagonista propiciou ao grupo experimentar a convivência com pessoas e opiniões divergentes e os participantes encararam esse momento com muita maturidade, pois ouviram e colocaram seus pontos de vistas de maneira respeitosa. Essa troca contribuiu para que todos saíssem da oficina com novos aprendizados e ao entender o papel do protagonista juvenil os participantes voltam para as escolas com muita energia e disposição para disseminar o que aprenderam”, avaliou.

Aprendizado

Os educadores também participaram de forma intensa da primeira oficina do Atitude Educação. Aloísia Laura Moreto, professora de química da EE Culto à Ciência ficou satisfeita com o conteúdo tratado e a participação dos alunos. “Iniciativas como oficinas, capacitações, troca de experiências são as que mais têm valor para os jovens, porque eles aprendem muito mais com o colega da mesma faixa etária, que vem da mesma realidade deles, porque são todos da escola pública. E esta ação mostra que eles conseguem ter domínio e ocupam uma posição de destaque como protagonistas, que é justamente o perfil do jovem do século 21”, considerou.

A professora elogiou a maneira como o grupo da Educar envolveu os participantes da oficina e se surpreendeu como a ação despertou o senso crítico e a consciência de cada um. “Fiquei encantada com o retorno dos alunos. Eles se soltaram e foram capazes de entender o quanto é importante se colocar no lugar do outros e fazer algo pelo outro. Essa tarefa vai levá-los a refletir sobre o que eles discutiram aqui e eles vão continuar a pensar sobre isso no processo de desenvolvimento do projeto na escola”, comemorou.

Atitude Educação

Com o tema “Participação: Transformar ideias em ações”, o Atitude Educação 2018 é um dos projetos integrantes do Programa Juventudes da Fundação FEAC e visa conscientizar e incentivar jovens a serem protagonistas em suas escolas e comunidades.

Correalizado em parceria com a Fundação Educar DPaschoal, o Atitude Educação tem como público alvo estudantes do Ensino Fundamental II e Médio das redes públicas municipal e estadual do município de Campinas/SP.

Ao todo, nove escolas tiveram projetos vencedores, que receberão recurso financeiro de até R$ 5.000,00 cada, a ser utilizado exclusivamente para o desenvolvimento das ideias e ações selecionadas.

As oficinas visam orientar os grupos e qualificar os projetos que serão desenvolvidos em cada uma das escolas. As próximas capacitações acontecem nos dias 14 de setembro; 26 de outubro, 12 e 30 de novembro.

Sobre o Programa Juventudes

Programa Juventudes é uma iniciativa da Fundação FEAC que investe na criação de espaços de participação e aprendizado social, autogeridos por jovens, com o intuito de incentivar o protagonismo juvenil propositivo e engajado com o desenvolvimento social.

Confira as escolas vencedoras do Atitude Educação 2018 e seus projetos:

Rede Municipal

EMEF Benevenuto de Figueiredo Torres: “Horta do Benê”
EMEF Maria Pavanatti Fávaro: Intervalo Participativo
EMEF Padre Leão Vallerie: #Papodemenina

Rede Estadual Oeste

EE Prof. Newton Pimenta Neves: Quadra em Foco
EE Jornalista Roberto Marinho: Mais Lazer na Escola
EE Prof. Luiz Galhardo: Leitores em ação

Rede Estadual Leste

EE Culto à Ciência: Manejo de resíduos sólidos: Bio, Esfera – Engenheiros mirim
EE Adalberto Prado e Silva: Projeto INMI – Interagindo na Melhor Idade
EE Prof.ª Castinauta de Barros Mello e Albuquerque: Amigos do Recreio

 

X