A força do coletivo que faz a diferença

Projeto #Com_Unidade faz intervenção com moradores do ‘Buraco de Sapo’ para coletar sonhos e pensar em praça de lazer

(Por Ariany Ferraz)

“Troco um sonho por outro sonho!” Foi assim que a equipe do Acupuntura Urbana distribuiu doces em troca de ideias no primeiro encontro do projeto #Com_Unidade no ‘Buraco do Sapo’, localizado no Jardim Nova Flamboyant, em Campinas/SP. No campo vazio, os moradores puderam compartilhar desejos  para o espaço, depois de estimulados pelo pessoal do Acupuntura Urbana, parceiro executor responsável pelas ações integrantes do projeto.

A ressignificação de um espaço público por meio do protagonismo comunitário é o objetivo do #Com_Unidade, que busca qualificar esses locais por meio de intervenções urbanas coletivas. A iniciativa que faz parte do Programa Desenvolvimento Local da Fundação FEAC, estimula o fortalecimento do senso comunitário, convivência, participação e o pertencimento da comunidade com a apropriação do espaço público, contribuindo assim para a melhoria da qualidade de vida das famílias.

A comunidade foi convidada a sonhar e conforme as ideias eram colocadas no mural, a árvore ali desenhada ia ganhando mais vida, um colorido repleto de objetivos. “É uma comunidade que já estava sonhando isso há um tempo. Muitas vezes o talento está escondido, eles desconhecem e não sabem como contribuir. O nosso trabalho é despertar como eles se entendem como coletivo e o que eles podem realizar, como juntos podem fazer algo transformador”, explicou Thais Brandt, arquiteta do Acupuntura Urbana.

A moradora Juliana Silva, mãe de três filhos, sente falta de uma opção de lazer tanto para as crianças quanto para as mães. “Nós aqui somos abandonados, não temos apoio de nada. Aqui tem muita criança e não tem lazer para elas, seria uma boa ideia fazer uma quadra esportiva”, contou também a vizinha Vilma Maciel.

“As casas são todas espremidas, a gente não tem quintal, então tem que aproveitar o espaço do campo. O ruim é que do jeito que está a gente não tem estrutura, não tem banheiro, água e grama”, explicou Maria da Silva, que conta que as pessoas passam a maior parte do tempo nas ruas. “É uma oportunidade muito boa para as crianças gastarem energia num espaço estruturado, tipo área de lazer e de integração da família e comunidade”, indicou Noélia Rosa, moradora. Ela sugeriu ainda um espaço de artesanato que unisse aprendizado e brincadeira.

Quadra, academia, lixeira, iluminação, árvores, brinquedos e grama foram algumas propostas que se repetiram muitas vezes, reforçando sonhos em comum. Teve também inclusão, com a preocupação da acessibilidade dos espaços para pessoas com deficiência, além de pensar também em opções para idosos e mães. Até as crianças participaram desenhando juntas seus sonhos para o local.

Thais comandou uma série de dinâmicas de integração e trabalho em grupo que engajou a população. Elas destacou que a participação das mulheres é marcante, principalmente dos grupos de mães. “Estão todos muito felizes que vai ter essa transformação, bastante empolgados no processo, que está sendo bem positivo. E tem algumas lideranças afetivas que são pessoas que querem ajudar a transformar e estão ali à disposição para além da representatividade legal”, observou.

Fernando Alves, um dos primeiros moradores do bairro, conta que já evitou diversas invasões no  local, pois sempre defendeu o sonho de um espaço que pudesse oferecer mais qualidade de vida para todas as idades. “Eu respeito e considero esse lugar. A gente sempre está correndo atrás de melhorias principalmente para as crianças. Aqui tem que ser um lugar que represente a comunidade”, afirmou o líder comunitário mais conhecido como ‘Caraveia’.

Esperançoso, Fábio Machado, morador e também líder comunitário, está confiante com a oportunidade. “Estamos procurando melhorar o bairro. trazer pra esse lugar o que os moradores querem, como uma praça, por exemplo. É prazeroso poder fazer isso pra comunidade!”, revelou.

No processo de construção coletiva, após exposição e debate dos sonhos, foi a vez de pôr a mão na massa e construir, em equipe, maquetes. “É uma forma de concretizar algo mais próximo do real, um processo mais legítimo de colocar em prática aquilo que sonharam e entender o que eles poderiam fazer de verdade”, pontuou Thais.

Com três modelos diferentes foram reunidas as maquetes e criada conjuntamente uma proposta única que traduzisse todas as expectativas. Com um projeto em mãos, os sentimentos foram de realização, esperança, felicidade, empolgação e determinação. “Nós juntos podemos fazer nosso mundo melhor”, exclamou uma das moradoras.

“Quando levamos o projeto para esta comunidade o encanto foi à primeira vista. Há convívio e troca entre as pessoas, as crianças se conhecem e brincam livremente nos pequenos espaços que possuem. Quando conhecemos o “campinho” identificamos a existência da vocação para abrigar uma área de lazer. Então pensamos; porque não fomentamos a criação deste espaço? Com o apoio da comunidade criaremos uma nova oportunidade de espaço de convívio e lazer!”, concluiu a líder do Programa Desenvolvimento Local, Viviane Nale.

Através de uma Metodologia Participativa, estão previstas quatro etapas no projeto: ‘Diagnóstico’, ‘Projeto’, ‘Mão na Massa’ e ‘Acompanhamento’. O próximo passo será a apresentação da maquete final com os ajustes indicados pelas equipes da Fundação FEAC e Acupuntura Urbana, levando em consideração o tamanho real do espaço e aspectos arquitetônicos.

A Fundação FEAC irá executar os elementos estruturantes da praça, como a execução da quadra, playground, banheiro e academia ao ar livre. Também está previsto um mutirão final de dois dias planejado para 08 e 09 de dezembro. Aproveitando os talentos da própria comunidade, os grupos serão divididos em frentes de trabalho para realização de tarefas como plantio, paisagismo, pintura, instalação de equipamentos, sinalização, criação da escada de acesso e almoço comunitário, finalizando assim a praça, num momento especial de celebração coletiva.

#Com_Unidade

O projeto com quatro edições em 2018, já tem concluída a edição no Abaeté e restam outras três nos territórios do Campo Belo, Jardim Nova Flamboyant (Buraco do Sapo) e Distrito de Nova Aparecida.

Programa Desenvolvimento Local

Uma iniciativa da Fundação FEAC que investe na mobilização comunitária com o objetivo de transformar territórios gerando bases para uma cidade mais inclusiva, acolhedora, eficiente e sustentável.

   

2018-10-09T14:07:09+00:009 de outubro de 2018|Categories: NOTÍCIAS|Tags: , , , , , |
X