Notícias

O cuidado com a beleza que fortalece vínculos e proporciona geração de renda  

O cuidado com a beleza que fortalece vínculos e proporciona geração de renda  

  (Por Ingrid Vogl) 

Palmira sempre teve vontade de aprender a cortar, pintar e arrumar cabelos. O sonho começou a se tornar realidade quando ela se inscreveu – em janeiro deste ano – na oficina de Cabeleireiro que a Associação Romília Maria oferece aos usuários com mais de 18 anos.  A atividade é desenvolvida por meio do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos – Centro de Convivência que tem o apoio institucional do Programa Fortalecimento de Vínculos da Fundação FEAC.

Toda segunda-feira pela manhã, a sala em que a oficina é desenvolvida fica lotada pelos frequentadores que acompanham a atividade conduzida por Marlene Aparecida Ferreira, educadora.

Nesta oficina, Marlene possibilita a vivência e a experimentação de como fazer hidratação, escova, coloração, corte, processos químicos como relaxamento e escova progressiva, além de penteado. O grupo é interessado e está sempre pesquisando sobre novidades na área. “Assim como eu faço questão de compartilhar conhecimentos sobre novas tendências, eles também trazem novas técnicas e experimentamos tudo na oficina. Assim acabo aprendendo junto com eles”, disse a educadora.

A ação acaba se integrando com outras duas oficinas: estética corporal e manicure, já que os usuários costumam frequentar paralelamente as três oficinas ligadas à beleza.  Além do conhecimento sobre o mundo da estética, as oficinas ainda têm a função social de desenvolver o bem-estar, a autoestima e o fortalecimento de vínculos entre as pessoas da comunidade do entorno da instituição.

“Muitas pessoas que procuram as oficinas ligadas à estética sofrem depressão e são inseguras. A partir do momento que elas passam a conviver com outras pessoas e aprender coisas novas, começam a se valorizar. Sempre fazemos rodas de conversas para termos um diálogo aberto sobre o que quiserem conversar. Essa é uma forma do grupo se ajudar. No final da oficina é visível a transformação de cada um: eles passam a se cuidar mais e se preocupam com o visual, com a postura e lidam melhor uns com os outros”, explicou Marlene.

“As oficinas de beleza são ótimas estratégias para assegurar um espaço de encontro aos grupos intergeracionais e desenvolver potencialidades e oportunidades para novos projetos de vida, devendo respeitar a escolha e a decisão de cada um, como processo de autonomia, protagonismo e proteção social”, comentou Aline Figueiredo, técnica de referência da Fundação FEAC.

Além dos ganhos pessoais e emocionais que a oficina promove, a geração de renda é também uma conquista. Cerca de 70% dos usuários partem para o mercado do trabalho, integrando equipes de salões de beleza ou então, montando seu próprio espaço de estética. Segundo Marlene, a oficina de cabelereiro é referência na região, já que vários salões procuram indicações de pessoas que concluíram a atividade.

A própria Marlene já participou da oficina do Romília Maria. Após perder o emprego em uma loja de cosméticos, ela começou a frequentar o curso de cabeleireira. A educadora da época ofereceu uma oportunidade profissional em seu salão de beleza à Marlene. O próximo passo foi montar salão próprio em 2011. “Entrei aqui para fazer uma oficina e isso se tornou minha principal fonte de renda. Hoje, tenho orgulho e gratidão por compartilhar meus conhecimentos com essas pessoas”, disse.

Marlene foi então convidada pela instituição para estar à frente da oficina, quando da saída da educadora anterior. “Foi aí que eu trouxe a proposta da oficina de estética corporal, que na época não existia aqui. É bacana porque todos que frequentam as três oficinas de estética acabam se identificando com seus pontos fortes, pode ser cabelo, unha ou massagem”, explicou.

Na oficina de cabeleireiro, a relação entre aprendizes e aqueles que são atendidos por eles se assemelha à realidade de um salão. Nessas ocasiões, o movimento de crianças, adolescentes, adultos e idosos é intenso e o convívio intergeracional constante.

Quando acompanhei a oficina, o atendimento foi dedicado às crianças que participam do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos de 06 a 14 anos. Felizes, elas esperavam a vez de serem atendidas e se sentiam valorizadas com esta interação. “ Aqui o grupo tem postura acolhedora e trata os participantes com respeito e com o objetivo de valorizar a beleza individual de cada um”, afirmou Marlene.

Envolvida e à vontade no grupo misto de jovens e senhoras, Palmira Martins de Oliveira esperava com escova e secador à mão, a próxima atendida para praticar os conhecimentos recém adquiridos. “A educadora é ótima, tem didática, é paciente. E o grupo também é bem entrosado e dinâmico. Aqui eu aprendo e socializo ao mesmo tempo, e está sendo uma experiência fantástica. Me dedico porque futuramente, pretendo montar um salão em casa, para ter meu dinheiro”, planejou.

Compenetrado em sua tarefa, Josias Massoca Ponce tratou dos cabelos da menina Evelyn Gabrieli Silva dos Santos, com cuidado e empenho. “Sempre tive interesse pela profissão de cabeleireiro. Quero me especializar em corte masculino e barba, que é uma vertente que vem crescendo dentro desse mercado. E aliado a isso, ainda tenho a oportunidade de conviver com pessoas diferentes e ter contato com essas “clientes especiais”, contou.

Se a pequena gostou do tratamento? “Me sinto como uma princesa sendo cuidada e arrumada com tanto carinho”, disse Evelyn, com um largo sorriso.

Programa Fortalecimento de Vínculos

O Programa Fortalecimento de Vínculos é uma iniciativa da Fundação FEAC que investe na qualificação de ações integradas de cultura, esporte e cidadania com o objetivo de prevenir o agravamento da vulnerabilidade social e reforçar os vínculos familiares e sociais protetivos.

Saiba mais: http://www.romiliamaria.org.br/